0

Há 10 anos com Bruno Gagliasso, Gio Ewbank fala sobre aumentar a família

Apresentadora abriu o jogo com fãs no Instagram

Gio Ewbank e Bruno Gagliasso completaram 10 anos de união nesta sexta-feira, 15, e pelo jeito a família deve crescer.

No Instagram, Gio respondeu a pergunta de um fã sobre o assunto: “Queremos mais dois… mas Deus é quem sabe!”, respondeu.  No mesmo storie, a apresentadora do GNT ainda contou que Titi, única filha do casal, é a mais animada com a possibilidade.

“Ela já quer muito!”, revelou.

SAIBA TAMBÉM:

Giovanna Ewbank revela o motivo de não ter filhos biológicos
Em vídeo, a atriz esclarece as especulações. O Brasil é apaixonado pela família formada pelos atores Giovanna Ewbank, 31 anos, Bruno Gagliasso, 35 anos e pela filha do casal Titi. A garotinha de 4 anos teve sua adoção homologada em dezembro do ano passado, mas Gio sentiu uma conexão forte com a menina no momento que a conheceu no Malauí, país da África Orienta, anos antes.

No entanto, há quem se pergunte os motivos de o casal não ter filhos biológicos. A dúvida surge da crença de que a adoção é apenas uma solução para a infertilidade, o que não é verdade. Em seu canal do YouTube, a atriz falou sobre o assunto.  No vídeo “Esclarecendo fofocas”, publicado nesta sexta-feira (24), a atriz lê notícias sobre sua vida e desmente as que são falsas. Ao ler uma chamada em que dizia que o casal estava fazendo tratamento para ter filho, ela afirmou que isso nunca existiu e que os dois são férteis.

“Eu não queria ter filhos até que a vida nos surpreende e eu e Titi nos reencontramos, e aconteceu!”, disse Giovanna. “Até então eu não queria ter filhos, por isso a gente nunca engravidou. Sempre nos cuidamos para não ter filhos, mas o Bruno sempre quis ter”.  Diferentemente dela, o marido sempre sonhou em ter filhos. “O Bruno quer que eu engravide desde nosso primeiro mês de namoro. Pra ele, ele nasceu pronto pra ser pai. O sonho dele era ser pai“, contou.

A atriz também comentou os boatos sobre ela ter adotado uma segunda criança no Malauí, Cecília: “Ela não é minha filha, mas sou madrinha dela. Ela é uma menina que me encantei muito e que a gente teve muita afinidade. Toda vez que vou ao Malauí nos encontramos, levo presentes, ficamos juntas. Quando ela começar a estudar vou pagar os estudos dela. Somos padrinhos, e não pais dela“.
Veja o vídeo:

Fonte: claudia

Arjona

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *